domingo, 7 de abril de 2013

Maduro afirma ser alvo de conspiração de diplomatas dos EUA



Redação SRZD | Internacional | 07/04/2013 09h54
Foto: Divulgação
O presidente interino da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou neste sábado ser alvo de uma conspiração que pretende assassiná-lo. Candidato às eleições presidenciais, Maduro declarou que os ex-embaixadores norte-americanos Roger Noriega e Otto Reich e a "direita salvadorenha" estariam planejando sua morte e uma sabotagem da rede elétrica do país, antes das eleições de 14 de abril.

"O objetivo é matar, eles querem me matar porque sabem que não podem vencer eleições livres. Por trás disto estão as mãos de Roger Noriega e Otto Reich, e está a direita salvadorenha que enviou criminosos pagos por eles para me assassinar", disse o candidato durante um compromisso eleitoral, coberto pelo canal estatal VTV.
Maduro afirmou ter uma gravação de uma reunião em que uma funcionária da embaixada americana em Caracas e um dirigente do Partido Justiça - de que faz parte o candidato da oposição Henrique Capriles - planejariam uma sabotagem ao sistema elétrico da Venezuela.
"Assim, denuncio ao mundo e peço ao povo alerta máximo", afirmou no comício no estado de Bolívar (sul).
As eleições
Foto: Divulgação
O representante do governo é o atual presidente interino, Nicolás Maduro, do Partido Socialista Unido da Venezuela. Maduro foi vice de Chávez durante os últimos governos, e foi indicado pelo ex-presidente antes de sua morte. Seu favoritismo na disputa reside na representação de uma continuidade das ideias chavistas.

Henrique Capriles, apesar de ter sido derrotado por Chávez por larga diferença na última eleição, conseguiu os melhores índices da oposição na história, com 6,5 milhões de votos obtidos. Por isso, em meio à perda de Chávez e sua figura de líder político, a oposição deposita todas as fichas em seu candidato.
Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário