quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A alegria por mais um aniversário


Na cela 15 do pavilhão 3 de um determinado Presídio, ao amanhecer, andando pelos corredores,  o chefe daquela Instituição prisional, o Sr. Alexandre. ouviu um barulho... um canto! Era alguém que cantava; um preso certamente, pensou. Alexandre, ao emparear com a cela de onde vinha o som, resolve parar, para perguntar qual o motivo da ...felicidade, se porque ele estava preso... o que estava acontecendo, para  está cantando. A resposta veio em tom bem humorado, assim como seu canto: Sim amigo, é felicidade mesmo, não porque eu esteja em uma cela de Presidio, mas, porque hoje é meu aniversário. Estou tendo mais uma vez, a alegria de viver um aniversário, não me importa muito, onde. Outros, inclusive dois parceiros, e irmãos meus, não têm o mesmo privilégio, estão mortos. Num confronto com a Polícia, morreram. Na voz do homem, que antes cantava, agora havia uma tom de tristeza, quando disse, estão mortos.  O chefe do Presídio, Alexandre, ao ouvir do preso, aquela narrativa, também ficou triste por dentro, porque um dos policiais que ajudaram matar os parceiros, e irmãos daquele homem, era seu filho. Mesmo assim, ainda havia felicidade naquele preso, uma certa felicidade, a ponto de cantar no dia de seu aniversário.

Alexandre, que muitas vezes, não encontrava motivo, nem mesmo para sorrir, porque passava parte de seu tempo lidando com presos, estava diante de um homem, preso, que perdera dois parceiros, e irmãos, foi o que acabara de ouvir... numa operação da Polícia, e ainda dizia ter motivo para cantar! Aquela conversa, pensava Alexandre, serviu. Ele, que tinha família, esposa, filhos, inclusive um policial, que estava vivo, apesar de...provavelmente ter tirado a vida de...bom, certamente, pelo menos de dois, sim, com certeza. Ele sabia muito bem do que aquele preso estava fando, e com uma diferencia, ele conhecia o preso, enquanto o preso não o conhecia. Mas sentia dor por dentro. Afinal, tinha sido seu filho.

Quando, já ia se despedir do preso, mais uma surpresa: eu já os perdoei, senhor, a morte dos meus dois irmãos. Jesus Cristo, continuou ele, perdoou os que O crucificaram, enquanto estava morrendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário