quinta-feira, 6 de março de 2014

Podemos qualquer coisa, sim


Sim, podemos qualquer coisa, dentro das normas naturais da vida. A natureza, e o Deus da natureza, quis assim. Uma terra repleta de riquezas, com tudo que todos os seres vivos precisam para se manterem vivos, até o tempo determinado. A diferença, em relação ao homem, é que, além de provê-lo de inteligência sem limite, ainda lhe deu o domínio de tudo. De tudo mesmo, até da destruição do semelhante e da sua própria.

Acabo de escrever um texto que fala do poder do povo. Não falo do poder de um grupo, mas do povo. O poder do qual falo aqui, não tem nada de novidade, em todas as gerações que a história nos fala, foi mencionado e não poucas vezes. Antes de Cristo, já se falava, com Cristo, cujo nome dividiu a história humana em duas partes, Ele mesmo reuniu por várias vezes multidões, falou do Reino de Deus e ensinou como fazer, para uma conquista justa, e falou da verdadeira riqueza que precisamos. Depois d'Ele, para continuar os ensinamentos, vieram seus discípulos, que pregavam nas  cidades e povoados, e alguns, por muito tempo, até praticaram. "os simpatizantes... cristãos, tinham tudo em comum", chegavam até vender o que tinham e dividir...sem demagogia.

Tudo isso, senhores(a),podem até não passar de "filosofia barata", no entanto, nunca vi alguma coisa funcionar corretamente, sem que fosse observado tais ensinamentos.

O povo pode inclusive obrigar os seus representantes a cumprirem seu papel, e nem precisa invadir a prefeitura, câmara, ou o que quer que seja. Alias, essa deve ser a forma mais errada, mas que a constituição aprova em partes. Quando o povo se organizar por ruas, por bairros, e depois por toda a cidade, e fizer Um Caixa, com o próprio esforço, sem pedir nada aos políticos partidários, sem nem sequer aceitá-los como parceiros, (porque todos são aproveitadores), quando descobrirmos nosso verdadeiro poder de sobrevivência, sem necessitar de esmolar o que nos cabe por direito...eles terão nossa cara...de homens e mulheres  de caráter, não de homens e mulheres cheios de ganância, que correm atrás das esmolas, sem se importar com os que não têm o mínimo para si e suas famílias.

Então, quando o candidato(a), chegar e oferecer uma quantia, uma parte daquela desviada, e você disser: amigo, em nossa comunidade não precisamos disso não. Seu dever era de cuidar do que o povo lhe confiou, se o senhor(a) não cuidou, não é nosso problema.

Imaginemos, que aquele cidadão(a), depois de percorrer dez comunidades, e ouvir isso, volte para sua casa e se pergunte: Que diabo está acontecendo? eu comprava esses "mortos de fome" até com um abraço falso! Dava um quarteirão de cachaça...uma esmola qualquer e o cara saía falando pra todo  mundo que eu era "o cara". Às vezes até pagava, digamos, a premiação de um torneio de futebol...são todos "mortos de fome"...já pensou?...ofereci 2 mil, e vieram dizer que não precisavam. Até parece que combinaram.

Senhores(a), só precisamos conhecer e usar nosso poder...o que recebemos do próprio Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário