quarta-feira, 5 de março de 2014

Um Representante do povo


Em meio a tantas reclamações contra a administração municipal atual, resolvi expor meu ponto de vista a cerca. Não estou expondo o que acho deste ou daquele gestor, mas, do que faz com que os gestores façam o que normalmente fazem.

Temos, o Brasil, um pouco mais de quinhentos anos de existência. No decorrer desse tempo, muitas reclamações do povo foram feitas, muitas atitudes tomadas, pelo mesmo povo, e também muitas punições contra os reclamantes e contra os ousados nas atitudes.

Quanto falo de atitudes e punições, lembro-me de um grupo de mineradores, de Minas Gerais, mais ou menos lá pelo ano de 1792. Desse grupo fazia parte o sr. José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes. Em assembléia, decidiram que não pagariam o imposto atrasado, em virtude do volume. Fala-se de 768 arrobas de ouro. Essa foi a atitude, e como punição, depois de descoberto o plano para não pagarem, foi decretado a prisão de todos, mas, quanto a Tiradentes, que estava à frente da ideia, teve a pena maior. Depois de uma longo solenidade em desfavor, como se diz hoje, de José Joaquim da Silva Xavier, foi arrastado, enforcado e esquartejado. Assim ficava provado o poder que a Coroa portuguesa tinha, e que fazia questão mostrar, e que não tolerava nada que parecesse com traição.

O que acabo de escrever acima, foi apenas uma ilustração. Afinal de contas nossas punições de hoje são diferentes. Vivemos numa "democracia", onde o valor do dinheiro, alias determina. Mas, isso senhores(a), por culpa nossa, que trocamos nosso direito de escolher nossos representantes, por qualquer coisa sem valor. Digo sem valor, porque não acredito que aja algo para o ser humano, de maior valor, que a dignidade.

Quando o povo, eu e você, entender, que as esmolas dos políticos nos envenenam, e envenenam nossos filhos e outros familiares, ao invés de alimentar, passará a ter nojo delas. Não necessitamos de esmolas, precisamos do nosso sustento, adquirido com um trabalho que nos dignifique. Não precisamos esmolar o que é nosso, por direito. No entanto, pelo pecado da falta da união e da organização, perdemos o direito até de reclamar.

Devemos detestar, senhores(a), inclusive, as reclamações dos espertos, que visam nos ludibriar com seus discursos que parecem detonarem os maus gestores, porque eles fazem com um só propósito: se candidatarem, para quando lá chegarem, fazerem pior. Eles já sabem até o que vão dizer: encontrei uma cidade com um rombo muito grande, vamos precisar que o povo nos elejam por toda nossa vida, para podermos concertar o erro do gestor que saiu. 

Reclamar, é a coisa mais fácil, sobretudo da oposição, que é oposição porque não ganhou algum cargo, na gestão lá do fulano, porque se ganhar o cargo, vai defender a gestão, o que na realidade, é a defesa pela sua sobrevivência, porque não acredita no poder que tem. Poder, alias, que não é de uma pessoa, mas da população. Então, queremos reclamar? é um direito, mas vamos entender que precisamos reconhecer a nossa culpa: o gestor, e sua gestão, têm a nossa cara.

Sabemos que é difícil, mas, se atentarmos para o poder que realmente temos, a gente se liberta...

Nenhum comentário:

Postar um comentário