sábado, 26 de abril de 2014

Povo e Representantes do povo. Quem tem razão?


"O governo tem a cara do seu povo". Uma certa pessoa, talvez acreditando que sei de alguma coisa, ou querendo ironizar de mim, me perguntou: Jeremias, tu que és bem entendido, porque será que o povo pede tanto aos políticos?

Para começar, senhores(a), eu não me sinto bem entendido em nada. Questiono, porque tenho direito de fazê-lo. Todos nós que somos povo, temos esse direito. Podemos ou mão fazer uso dele. Mas, a resposta, à sua pergunta, eu tenho. E se você, quiser, também a tem. Vejamos: De acordo com a história, no ano de 1500 fomos descoberto por um certo povo, de uma civilização diferente. Nos ensinaram que foram os portugueses. A tal civilização, dirigida, ou governada na época por D. Manuel I de Portugal, que enviou um certo cidadão, cujo nome aprendemos que era Pedro Alvares Cabral, que dirigiu um Frota de Caravelas, ou Barcos...como queira chamar, para a Índia. Numa parada que aqui fizeram, ficaram curiosos para conhecer um pouco sobre o povo indígena. De um jeito ou de outro, se misturaram por aqui, com os Índios.

Sem querer ministrar aqui uma aula de história do Brasil, senhores(a), mais tarde, um outro povo chegou aqui, como escravo, que foram os africanos. Juntando assim, Índios, brancos e africanos, que formavam uma nova raça, a de brasileiros misturados, ou mistura de raças. Mas, os africanos continuaram escravos. Até que um dia, uma certa moça filha de D. Pedro II, por nome Izabel(Princesa Izabel), em 13 de Maio de 1888 assinou a chamada Lei do Ventre Livre ou Lei Áurea, que dava liberdade aos escravos.

Liberto os escravos, que até um dia antes trabalharam como animais irracionais, jumentos ou burros, os senhores estavam perdidos. 

O que fizeram: chamaram os seu ex. escravos e disseram: olha, vocês não são mais obrigados ao trabalho sem ganhar nada. Eu agora vou pagar. Vocês podem ficar por aí na Senzala, até quando quiserem. Assim ficava bom, para os ex. escravos e os ainda senhores, por metade. 

Mais tarde, os ex. escravos começaram a tirar madeira no mato e começaram a construir casas cobertas de palha, e trabalhar ainda para os que tinam sido seu donos. Assim, foram morrendo os pais e ficando os filhos, na mesma situação. Assim também, foram morrendo os antigos patrões e ficando os filhos, também na mesma situação. Isso senhores(a) até os dias de hoje, patrões e empregados continuam do mesmo jeito. Os patrões agora se adéquam ao modernismo, enquanto os escravos livres...ainda dependem de quase tudo do patrão. Será que dá para entender? Somos, eu e você, na maioria das vezes, os escravos livres. Por isso que não descobrimos a força que temos. E os nossos patrões estão gostando.

Quem tem razão? esta é a pergunta que faz o título desta postagem.

Aqui está a resposta: Ricos poderosos, que obrigaram os negros africanos, nossos pais, a trabalharem como burro, sem ganhar, sequer a dignidade, de uma hora para outra, uma lei os impediram de continuar favorecidos. No desespero, oferecem abrigo a eles, que por gratidão, e sem saída, aceitam. Mas, com o passar do tempo, tentando, talvez reverter a situação, fazem uma troca sem progresso: "Me dar dinheiro que voto pra ti". E os ainda senhores: "Dou, mas, se não votar em mim, eu descubro e te mato. Exagero? Nada disso. A luta, é de vale tudo. Para ficar rico, vale tudo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário