sábado, 28 de junho de 2014

Dia de Jogo do Brasil, nas Oitavas de Final da Copa ...em Bacabal





O mundo assistiu hoje, um jogo de Oitavas de Final, de Copa do Mundo, muito duro. E para o Brasil, foi muito duro de aceitar, um tempo normal, e mais uma prorrogação, com um empate de 1 x 1, tendo a impressão de que o Brasil podia ser derrotado.

Me fez recordar o jogo das Quartas de Final, da Copa do Mundo de 1986, quando o Brasil jogou contra a França. O desenrolar foi muito parecido, só não era Oitavas, e naquele momento, nós, os brasileiros, não comemoramos, porque perdemos nos pênaltis. 

No jogo de Brasil contra Camarões, resolvemos fazer uma Matéria, para mostrar o comportamento da cidade de Bacabal, em dia de jogo do Brasil, na Copa do Mundo. 

Escolhemos uma Rua muito animada, cujos moradores, em todas as Copas do Mundo, comemoram com mais paixão do que o restante da cidade. E o que mostra isso, é o empenho na decoração, de um trexo de aproximadamente 300 metros.

Esse mesmo trecho de Rua foi visto também, pelo Desembargador Guerreiro Júnior, e a Empresária Gisele Veloso, que resolveram patrocinar, com a decoração e com um Trio Elétrico, para animar depois dos jogos.

Um destaque na TORCIDA em Bacabal
  

O Desembargador Guerreiro Júnior, que é um torcedor... "Pé Quente", como ele mesmo diz, juntamente com a Empresária Gisele Veloso, que com o brilho do sorriso, transmite a garantia de uma boa acolhida, e que adotaram,  inclusive, uma camisa, com as cores da Copa,  e com o número 10 (dez), que não se escreve Dez, mas DES, de DESembargador, resolveram oferecer, para a comemoração do jogo das Oitavas de final, um almoço, em casa. E a Rua Teixeira de Freitas,  que atendeu ao convite, levou para a casa do Desembargador, toda aquela empolgação de torcedor. De torcedor, que vibra com a vitória, mas que sofre, com a ameaça da derrota, como mostrou durante o jogo, e como o Brasil o fez, certamente, em toda sua imensa extensão.


O momento da Vitória







Mas, senhores(a), alguém tem que perder! E por um instante, ou como flashes, nos vieram por várias vezes, a mensagem de que o alguém, no caso, poderia ser o Brasil. Nós, os brasileiros, representados pelos jogadores, que estavam no campo. Nós, que como cidadãos que somos, também protestamos, de um jeito ou de outro, contra os gastos da Copa do Mundo, quando assistimos o governo aceitar  um conjunto de exigências, para que os Estádios, ou "Arenas", se encachassem nos "padrões FIFA". Mas, isso, em virtude da negligência que sentimos,  por parte do governo, em relação ao patrimônio público a que temos, ou teríamos... direito

Mesmo assim, somos brasileiros(a), que temos no Futebol, o destaque merecido, e por isso, somos torcedores, que durante o jogo expressamos nosso mais puro e sincero sentimento, através dos gritos, dos abraços e dos pulos, que soam, como agradecimento, por um grande prêmio recebido.   E certamente recebemos, quando marcamos o Gol. A satisfação contagiante, que envolve  todo um povo, e não só do Brasil,  mas, milhares de simpatizantes pelo planeta afora. A mesma que atinge aos vencedores, neste ou naquele campo.  Tudo isso, forma o prêmio...o motivo de nossa alegria, que no momento, é bem diferente da emoção que fica com a derrota, a mesma que certamente tomou conta do nosso adversário, que apesar do grande esforço e rendimento que teve, não nos fez chorar, ou melhor, não fez chorar o mundo que entre nós se encontra, e que vive neste momento de Copa do mundo, o encanto de um povo acolhedor, mais do que se esperava, até. O choro, repito, não seria só nosso, e afetaria a essência da festa que hoje proporcionamos ao mundo.




 v


 

 



Durante o jogo, a tenção...

 

 





Principais momentos registrados

 















 











































 


































































 



























































































































































































































































































































































































Uma Vitória com gosto de sofrimento








Nenhum comentário:

Postar um comentário