terça-feira, 8 de julho de 2014

Último jogo do Brasil na Copa do Mundo 2014



País do Futebol, reconhecido por todos os 
outros. Invencível, não. 


Participamos de todas as Copas do Mundo. Estamos na Edição de número 20. Ganhamos cinco vezes, mais do que todos os outros Países. Fazemos parte das  32 Seleções participantes da Copa do Mundo 2014. Encerramos nossa participação, num jogo de Semifinal, com uma derrota nunca vista, na história das Copas. Apesar de tudo isso, vale o Espírito Esportivo.

O mundo, certamente, apostou no Brasil. O brasileiro, não foi diferente. Preparamos, como nos jogos anteriores, a festa de comemoração. E comemoramos, não com a honra e a euforia da vitória, mas, com o sorriso desconcertado pela própria derrota. Afinal, a vida continua. Poderíamos está aqui, postando um texto, com o canto alegre da vitória. Não estamos, mas, aceitando o fato da derrota. 

Das duas Seleções, uma só haveria de ganhar. Uma só, haveria de comemorar a vitória. Não ganhamos, portanto, não comemoramos. Mas ainda somos o Brasil, cinco vezes ganhadores do título da maior festa do Futebol mundial. Estamos na frente. Perdemos de 7 X 1 porque jogamos menos que nosso adversário. Não temos palavras para explicar a derrota, e não precisamos. Simplesmente perdemos um jogo, e com a humildade, constatamos que não somos invencíveis. Ninguém, nesta vida, o é. A vida continua, e outros jogos também, virão.


Festa em Bacabal-Maranhão




Acompanhamos, nos três últimos jogos, a torcida da Rua Teixeira de Freitas, a mais animada de nossa cidade, cuja decoração e animação teve o patrocínio do Desembargador Antônio Guerreiro Júnior e da Empresária Gisele Veloso. 

Acompanhamos também, a torcida do Desembargador, em sua residência, composta por amigos do mesmo. E acompanhamos ontem, o sofrimento, dos que em outros jogos, juntamente com ele, vibraram. Mas, no final, quando já não tínhamos...não sei... nenhum motivo para comemorar,   e a demonstração da vergonha sentida, era visível, quando se trata de futebol e de Seleção Brasileira, ainda, com o entusiasmo do Desembargador, tivemos a festa, com tudo que havia sido preparado: Um banquete, digno das melhores festas de recepção. 

Por um certo momento, o tom de animosidade, parecia ser mesmo de vitória. A recepção carinhosa do dono da casa, Desembargador Guerreiro Júnior, e da simpática jovem, Gisele veloso, cujo sorriso, encanta e acolhe. A presença, de pessoas ilustres, como, o médico oftalmologista Dr. Zé Carlos Reis e a esposa,  Dra. Angela; do advogado Dr. Linaldo Albino, a professora universitária e Jornalista, Lindoracy  Santos, e várias outras. Assim como também, a presença da Banda de Ruan e Letícia, que animou, juntamente com o também cantor, além de Desembargador, Guerreiro Júnior, que durante toda a festa, tomou a dianteira, também, fazendo uso do microfone e cantando, com o auxílio do amigo de longas datas, o violonista e cantor, Tchaca. 

A torcida verde e amarelo, das belas jovens, cujas camisas estavam as letras formando o nome Guerreiro do Povo. O povo da sede de Bacabal ou da Zona Rural...aqui, um estaque para o povoado Brejinho, com seu Bumba Boi de Rica Coreografia.

Todos assim, contribuíram para a festa, que afagou a tristeza da amarga derrota. Mas, que certamente, deixa uma lição: Somos cheios de limitações. Às vezes, nem mesmo o que temos ao alcance das mãos, conseguimos alcançar, como disse o sábio Rei Salomão, quando pediu a Sabedoria a Deus.

Vejam as fotos da Torcida do "Desembargador do Povo".


















Na festa, sobrou muito pão, que até foram levados para os que ficaram em casa.


































































































































































































































































































































































































































































































































































2 comentários:

  1. Nunca vi tanta gente babona, babaca e idiota. Nunca vi tanto puxa-saco. Isso me dá é nojo e nem de longe acredito isso ser amizade. Pra mim é outra coisa: oportunismo.

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo leitor, antes de qualquer coisa, muito obrigado por acessar o Blog mais humilde Bacabal. O Blog do Jeremias, como acabo de dizer é o mais humilde, e não publico algo pensando em puxar saco.

    Oportunismo, o amigo se refere como sendo algo para pessoas sem prestígio. É por isso, certamente o nojo. Não discordo do ponto de vista, mas é bom tomarmos um certo cuidado, para não ofender os "oportunistas". Eles, talvez, entendam isso como afronta. E você, que se chama luís, talvez não perceba a agressão que está cometendo. Amigo, toma cuidado. Se quiser ser admirado, construa amizades.

    ResponderExcluir