terça-feira, 23 de junho de 2015

"Se quiser ter sucesso ajude as pessoas"

Há muito tempo, o mundo, através dos grandes filósofos vem ensinando o segredo da felicidade. As respostas podem ser diferentes, mas o significado é o mesmo.

Napoleon Hill (26 de outubro de 1883 - 8 de novembro de 1970), um grande escritor americano, que aceitou a tarefa de entrevistar os quinhentos homens mais bem sucedidos dos Estados Unidos da América. constatou o quanto é verdade, que para alguém ter sucesso, precisa, ajudar aos outros. Essa tarefa foi sugerida pelo maior industrial de sua época e o segundo homem mais rico de todos tempos, Andrew Carnegie.

O serviço foi sugerido depois uma entrevista que o jovem jornalista Napoleon fez com Carnegie, que simplesmente lhe perguntou: "Você aceita trabalhar 20 anos comigo para ganhar se sustento?"A resposta sim, veio em menos de um minuto. Naquele momento, Andrew Carnegie, segurando um cronômetro, disse: "se a resposta tivesse vindo depois de um minuto, eu não aceitaria, porque o homem que não se decide em um minuto, não pode ter sucesso". 

Certa vez, Napoleon Hill conversou com um homem, que lhe contou sobre um episódio: Esse homem era  um grande empresário no ramo  de  negócios  imobiliários, e que vinha enfrentando um problema com um casal de idosos, que não pagava em dia o aluguel, e já vinha atrasado há alguns meses. E isso o deixava irritado, até que acionou seu advogado e pediu uma ordem de despejo para aquele casal. E acompanhou o advogado, que iria cumprir a decisão de despejo. Chegando ao local, já à noitinha, a porta entreaberta...se aproximaram, e viram o casal ajoelhado, num canto da  sala, rezando! Ela, a idosa pedia a Deus, compaixão...não tinham filhos...e o único que tinham tido, dizia ela, Deus tinha levado, e agora, estavam para serem despejados e não sabiam onde iriam morar...! Os dois homens, advogados e patrão estavam assistido aquele momento. O advogado olhando o patrão, disse: se for para fazer o despejo deste casal de idosos, o senhor pode procurar outro advogado, eu estou deixando seu serviço. Os dois homens se olharam, e o patrão interrogou: porque não fazemos uma cesta básica para eles? Naquele momento, depois de tantos anos correndo atrás dos negócios, contou o proprietário dos imóveis, eu comecei a ter paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário