terça-feira, 28 de julho de 2015

Conscientização do povo, pelo povo e para o povo


Provavelmente,  precisaríamos disso, antes  de pregarmos...de gritarmos mesmo por uma democracia. 

Se aproxima a época em que muitos "conscientizadores" surgem do meio do povo. Eles são requisitados pelos pré-candidatos a representantes do mesmo povo, que já começam divulgar os nomes dos patrões, que patrocinam as festas, prometem ajudas e fazem questão de se apresentarem em todos os lugares onde o povo se aglomera.

Nenhum erro, até aí, sobretudo quando se leva em conta que tudo isso faz parte das estratégias para ganhar uma eleição. Usar algumas pessoas do meio do povo, dando a elas algumas migalhas em troca, também não pode ser considerado erro tão grave, afinal, tais pessoas, que buscam as tais migalhas, parecem precisarem muito, principalmente porque algumas chegam a considerar o trabalho honesto um fardo muito pesado. Bem mais pesado do que correrem atrás, digo de baterem nas portas dos que se propõem a suportarem todas as solicitações, como receitas médicas, contas de luz, contas de água, promessas de empregos e outros.

Afinal, se tem algum erro no processo democrático, onde está e qual seria? Se a maioria do povo é que elege, qual o erro nas estratégias dos candidatos, já que tudo isso acontece através de um  processo democrático? O vício consentido pelo povo, que se guia por seus "representantes", que faz a cultura do "se dá bem" de qualquer jeito, sem se importar que os outros se lasquem, está errado? Eu, que escrevo em tom de crítica, aproveitando as redes sociais para divulgar, estou fazendo algo para o crescimento de um povo, do povo do qual faço parte, que às vezes se faz vítima, que planta a miséria pensando em em colher o progresso...o que estou fazendo? Preciso fazer algo, antes de reclamar do governo que tenho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário