quinta-feira, 31 de março de 2016

Apesar da corrupção e dos insultos vivemos um momento de democratização

A favor de Dilma
  



Contra Dilma


A favor de Dilma

Amizade
Simpatia
Reconhecimento
Programas Sociais
Compromisso com dinheiro...

São vários os motivos que determinam em quem o eleitor vai votar. E não é correto você dizer que o seu candidato é o melhor, porque o candidato do outro também é o melhor. Quem avalia o candidato é o eleitor, quem vota é o eleitor, assim como, quem vive o desempenho do representante escolhido é também o eleitor.

Conscientizar você pode e deve, mas, cuidado, se você tiver paixão política por alguém, sua maneira de conscientizar não é confiável. 

Vivemos num país de Alfabetizados, de analfabetos, de pobres, de ricos, de negros, de brancos, de religiões diversas e diversas manifestações culturais. E somos insatisfeitos, por tudo isso. E não vamos nos realizar por completo..

Hoje, a maioria das pessoas que se dizem cristãs reconhece Jesus Cristo como o salvador enviado por Deus, apesar da falta de fé da maioria. Mas, esse mesmo Jesus Cristo foi morto. Sua sentença aconteceu por aclamação do seu povo, digo de pessoas de sua família. Falo isso para explicar meu ponto de vista no que diz respeito a realização de cada um de nós.

Somos responsáveis, acredito, por parte de nossa felicidade. A outra parte depende de outras pessoas e de outras coisas, que quase sempre está fora do nosso controle.

Para concluir minha linha de raciocínio quanto à política partidária, que é a forma que temos para eleger nossos representantes, nunca vamos concordar com todo mundo e por isso, nunca vamos ter todo mundo concordando com o que pensamos. Mas, se aprendermos a conviver com as diferenças, respeitando uns aos outros, podemos ajudar na felicidade dos outros e os outros ajudarão na nossa.




O herói anônimo que salvou Lula de Moro em Congonhas. Por Cavalcanti da Gameleira

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/dois-herois-da-fab-por-cavalcanti-da-gameleira/

Capitão Sérgio Macaco
Capitão Sérgio Macaco
Cavalcanti da Gameleira, autor do texto a seguir, é historiador.

O cenário estava todo montado para a condução coercitiva do ex-presidente Lula. Ao melhor estilo OBAN, efetuou-se o sequestro ao final da madrugada; “Nacht Und Nebel” – Noite e Nevoeiro: esse era o dístico dos “Einsatzgruppen” das SS nazistas, quando saíam a cumprir a sua nefanda missão de eliminar adversários políticos protegidos pelo breu das horas mortas.

Cenário midiático, bem entendido; talhado sob medida para expor à execração pública o homem que resgatou a autoestima do Brasil e de seu povo. Avisadas com antecedência, equipes de profissionais dos principais meios de comunicação do país, articulados com setores golpistas enquistados no aparelho de Estado, já estavam a postos em São Bernardo do Campo. Lá se iniciaria o Auto de Fé, com o herege impenitente sendo conduzido na carroça, digo, camburão, até o aeroporto de Congonhas. Lá o aguardavam outras equipes dos orgãos de imprensa, para os quais vazaram, convenientemente, informações privilegiadas que davam conta da prisão iminente do mito.

Escolta-se a Esperança para a sala VIP do aeroporto, transmutada em dependência da Polícia Federal. Inicia-se lá o interrogatório do D. Sebastião dos pobres, do redentor da Pátria humilhada. No hangar ao lado, um jatinho esperava para conduzi-lo à República de Curitiba, onde se daria o “grand finale”: sob o espocar de fogos de artifício, disparados por incendiários notórios da República, o sentenciado vestiria o sambenito e a Nação, ofuscada pelo brilho dos “flashs”, o veria ser tragado para os porões sombrios da Guantánamo meridional. Sua imagem política, esquartejada e salgada, seria declarada infame por várias gerações; sua “raça” exterminada. Solução Final.

Mitos, porém, conservam como característica uma extraordinária capacidade de conservação; são por assim dizer indestrutíveis, pois estão enraizados no inconsciente coletivo de toda uma população. O que a República do Galeão não conseguiu fazer com Getúlio Vargas em 1954, a República de Curitiba – temporariamente sediada em Congonhas – também não lograria alcançar com Lula em 2016. Ambos encarnam as Forças Vivas da Nacionalidade; nos momentos de maior perigo para o Brasil, elas são conjuradas e se manifestam na emergência de um Herói Providencial, expressão menos de um voluntarismo individual do que de uma vontade coletiva assumida por uma personalidade singular.

A história sem dúvida tende a se repetir, nem sempre como tragédia ou farsa – como pensava Marx – mas principalmente pela revelação de Ciclos Criativos. A mesma Aeronática, que patrocinou a aventura golpista da República do Galeão, seria redimida posteriormente pela eclosão, dentro de seu núcleo institucional, de dois dos principais Heróis Providenciais do Brasil Contemporâneo, um e outro interpretes de um anseio coletivo mais profundo de fazer do Brasil uma Pátria verdadeiramente livre e soberana. Um deles foi o Capitão Sérgio Ribeiro Miranda de Carvalho, o Sérgio Macaco. O outro seria aquele enérgico Coronel de Congonhas cujo nome ainda não veio à lume e que, segundo consta, impediu à frente de um pelotão armado que Lula fosse embarcado no jatinho para Curitiba.

Claro que se trata de duas situações de ordem de grandeza muito diferentes. Em 1968 o Capitão Sérgio recusou-se a cumprir ordens do Brigadeiro João Paulo Moreira Burnier – então Chefe de Gabinete do Ministro da Aeronáutica – no sentido de que fosse o PARASAR, uma unidade de elite da FAB , utilizada na consumação de atentados terroristas. O principal deles previa a explosão do Gasômetro do Rio na hora do “rush”, vitimando cerca de 100 mil pessoas. Sérgio Macaco viu sua carreira militar destruída e sofreu perseguições ao longo de sua vida, encerrada precocemente em 1994. Morreu como um herói ético; evitou um horror que mancharia para sempre a memória brasileira: muito teríamos de purgar até ressignificá-la.

O obscuro Coronel de Congonhas, sem nome conhecido – ainda -, não se destacou por épica intervenção que, a exemplo daquela do Capitão Sérgio, salvaria milhares de seres humanos da morte. Seu papel – a se confirmarem as versões de que dispomos – se limitou a resgatar de um sequestro jurídico-midiático um ex-presidente do qual, sequer, consta que tivesse a sua vida ameaçada. Nem por isso a atitude daquele oficial superior se reveste de menor heroicidade.

Com a sua oportuna intervenção – e a despeito de suas motivações íntimas para tal ato, que desconhecemos – o Coronel pode ter abortado, naquele momento, o golpe em curso contra a Liberdade e a Soberania brasileira. Foi o ato de um patriota.

Deu uma sobrevida fundamental a Lula e ao projeto de Nação a que se filiam todos os nacionalistas e desenvolvimentistas desse país. O combate ainda não chegou ao fim, e o exemplo daqueles dois heróis da FAB nos fala a respeito do imperativo ético de resistirmos ao golpe, sob pena de vermos o prometido País do Futuro enxovalhado aos olhos do mundo. Tal não ocorrerá; o Brasil é muito maior do que aqueles que pretendem inviabilizá-lo. Nossa Alma Coletiva vela por nós.


segunda-feira, 28 de março de 2016

Como combater a corrupção ?


Poderíamos fazer várias perguntas. Mas, quem responderia? Os que fazem coro com os contra a corrupção? Porque os juízes pouco falam. A gritaria que se ouve nas ruas dos grandes centros do Brasil é de uma parte da população, que diga-se de passagem, sempre foi beneficiada pelo poder. 

As instituições financeiras sempre abriram todo tipo de crédito para os pecuaristas, industriais, comerciantes e pessoas que conseguiram padrinhos ou pistolões... como se queira chamar. Mas quem são os pecuaristas, industriais, comerciantes e apadrinhados? Respondo: Homens ou mulheres que aproveitaram oportunidades que o sistema ofereceu. Foi assim para os senhores da cana de açúcar, do café, das indústrias e da pecuária, durante todo o tempo, desde que aqui chegaram as caravelas de Cabral. E logo mais, já como Brasil colônia, continuou sendo assim. A grande maioria é a massa... de manobra, usada pelos mais espertos. Por outro lado, muitos, mesmo depois da abolição, ainda preferiram servir aos seus senhores, de tudo, inclusive concordando com o que quer seja que venha desses senhores.. 

Por muitos e muitos anos, os chamados coronéis deram as cartas. Os governantes eram aqueles, cujos nomes eram da escolha desses.  E o  povo que sempre fez tudo acontecer, até mesmo como escravo, nunca determinou seu destino, porque, do meio desse mesmo povo surge os chamados lideres, que nos palanques da vida parecem ser a salvação. Mas, uma vez de posse do poder, se corrompem. 


Estamos vivendo num país, onde as insatisfações por parte de duas torcidas, superam,  a vontade de ser útil, no sentido de mudar a política que fazemos. 

Elegemos o candidato, na maioria das vezes, vendendo o voto por migalhas, para depois cobrar o que já não nos pertence. 

Nós, o povo, somos mais corruptos que nossos representantes, a quem chamamos de corruptos. Recebemos deles, esmolas, porque é exatamente o que pedimos. 

Perguntem aos que gritam "fora os corruptos", de que eles vivem? E a maioria, sobretudo das cidades do interior vai revelar que vive às custas de contratos de prefeituras, que conseguiu através de um contrato proveniente da corrupção.

Quando falo isso, lembro-me dos presidentes de Associações de Moradores, de Sindicatos, ou de pessoas que encabeçam algum grupo, que se promovem às custas desses grupos e que enganam tanto quanto ao político, que de forma desrespeitosa chamamos de ladrões. Digo desrespeitosa, porque eles foram eleitos por nós. Se são corruptos é porque têm a nossa cara. 

A solução, ou pelo menos um passo para a solução, seria, tomarmos os efeitos dos escândalos do momento, causados por todos os políticos, independente de partidos, dos da nossa paixão ou dos do nosso ódio, não importa,  ficarmos com vergonha de nós mesmos e começar deixar de ser corruptos.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Reflexão de hoje...




O Brasil vive no momento, o que muitos consideram o auge da corrupção. Jovens com menos de 30 anos de idade, que certamente leram sobre a época do regime militar, mas não viveram o que pessoas acima de cinquenta o fizeram, somente têm uma ideia a respeito. Nessa época o país teve momentos difíceis, diferente do que estamos vivendo, mas não de menor intensidade e nem com menos reclamações.

Quando o General João Batista Figueiredo, o último do Regime Militar governou o nosso país, a crise econômica e política se agravou muito. Na época a dívida externa, tão alta, a ponto do governo não poder pagar sequer o juro, isso de acordo com o ministro da economia, Sr. Delfim Neto, era motivo de piadas na TV, feitas pelos humoristas e motivo de manifestações de políticos de oposição, que induziam os jovens e toda a população para gritarem contra o governo.

Naquela época o povo gritava por mudança e "Fora o Regime Militar". Políticos da oposição se agarravam às reclamações do povo para tirarem proveito, como  Sr. Tancredo Neves, um dos lideres do MDB, que depois virou PMDB, assim como o Sr. Ulisses Guimarães, o Sr. Leonel Brizola, do PDT e entre outros, o Sr. Lula, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos em São Paulo, fizeram dura oposição ao Regime.
 

Na época, AÉCIO Neves, com a idade de mais ou menos 18 anos, e Lula, com aproximadamente 35 anos, viveram o momento de luta por mudança. Aécio, de uma família de tradição política, neto de Tancredo Neves, um dos mais importantes nomes e líderes políticos, fundador do PP (Partido Popular) e mais tarde, um dos líderes do MDB(Movimento Democrático Brasileiro), que virou PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), que fazia oposição à ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e mais tarde ao PDS (Partido Democrático Social).

Vereador, Deputado Estadual, Deputado Federal, Senador, Governador e Presidente da República eleito, Tancredo Neves venceu a eleição no Colégio Eleitoral,  pela coligação "Aliança Democrática", contra o Sr. Paulo Salim Maluf, da coligação "Partido da frente Liberal", formada pelos dissidentes do grupo do Sr. José Sarney. O Sr. Tancredo Neves deixou assim, seu nome gravado na história deste país. O Sr. Aécio Neves, sendo seu neto, repito, já veio com um certo embalo.  Já foi deputado federal,  governador e candidato a Presidente da República.

O Sr. Luís Inácio da Silva, que virou Luís Inácio Lula da Silva, foi Metalúrgico, Sindicalista, Deputado Federal, Presidente da República por dois mandatos e atualmente Ministro da Casa Civil.

O nosso país, de representantes com a "nossa cara",  cujos eleitores e simpatizantes dividiram nas últimas eleições presidenciais, as opiniões, convive com uma certa intensidade de escuridão, causada, de um lado, por interesses próprios de líderes que parecem se importarem muito pouco, ou quase nada com o povo e por outro, por paixões e necessidades, que fazem a falta de organização, que nos impede de sugerir, exigir e denunciar.

A justiça, ao que parece, busca uma solução. O que não está claro é quem será beneficiado com essa solução, se o povo, se a oposição, ou se a situação. E assim, os comentários desgastantes, postados nas redes sociais, pelos contras e pelos que são a favor, deste ou daquele personagem, não param. Mas hoje, "Sexta Feira Santa, dia em que vivemos a tristeza  da morte do Senhor Jesus Cristo, é bom meditarmos quanto ao que vamos postar, para que...eu não venha ferir o meu semelhante, que mesmo que não pense igual a mim, tem seus pensamentos dignos de respeito, porque na democracia há duas partes.














Sr. João Batista de Oliveira
Figueiredo.  Presidente   da
República     1979  -  1985. 
Ultimo presidente do Regime
Militar.





Sr. Tancredo de Almeida
Neves. Eleito  presidente
da República  em  15  de
janeiro de 1985.
Adoeceu em 14 de março
do  mesmo  ano,  um  dia
antes de sua posse.
Morreu em 21 de abril.

 




Sr.   Paulo Salim   Maluf
que disputou a eleição
para presidente, com
Tancredo Neves em 1985.



Sr.  José  Ribamar  Ferreira 
de Araújo Costa - José Sarney.
Como vice, assumiu no lugar de 
Tancredo Neves.  1985 - 1990.


Lula - Metalúgico na década 
de 80.


 
Sr. Luís Inácio Lula da Silva
Presidente da República de
2003 - 1011

quarta-feira, 23 de março de 2016

Procissão do Fogaréu em Bacabal




Aconteceu na noite dessa 4ª feira santa (23),  em Bacabal, a segunda edição da Procissão do  Fogaréu. Uma encenação do que, de acordo com a bíblia, aconteceu na noite da prisão de Jesus Cristo.

Depois da Ultima Ceia, Jesus vai ao jardim das oliveiras, para orar, levando consigo, Pedro, Tiago e João. Enquanto isso, os saldados romanos, munidos de tochas, de espadas e cacetes, O procuravam para prender. Pois, Judas, um dos doze discípulos, havia combinado com eles  para ajudar procurar Jesus, e mais: Aquele a quem eu beijar, disse Judas, se trata de Jesus Cristo.

A Procissão do Fogaréu, de acordo com levantamentos, é uma tradição do estado do Goiás, que teve início no século XVIII com o Padre Perestelo de Vasconcelos.

Atualmente essa procissão já é feita em muitas outras cidades, inclusive em algumas  do estado do Maranhão, como é o caso de Bacabal, que já está em sua segunda edição.

A participação de aproximadamente 3 mil pessoas, faz do evento um grande momento para a Igreja Católica.










segunda-feira, 21 de março de 2016

De qual corrupção somos contra ? da nossa ou da dos "políticos" ?


A discussão do momento, em todo Brasil é a corrupção. Pelo que a TV e os outros meios de comunicação  comentam, e pelo que muita gente insatisfeita com alguns "políticos" comenta nesses meios de comunicação, parece que os políticos são os culpados.

Muita gente "cheia de razão" usa os mais desprezíveis termos para fazerem desabafos contra alguns nomes.Todos são contra a corrupção.

Certamente, senhores (as), até onde conhecemos, nós, os seres humanos somos os seres mais complexos do universo. Amamos, odiamos, planejamos e somos capazes de muita coisa, boa ou nem tanto, dependendo de como interpretamos as coisas que nos cercam.

Se a palavra corrupção significa quebrado em pedaços, e se, corromper significa tornar podre ou fácil de ser quebrado, estragar, ou o que vai estragar alguma coisa nesse sentido, somos todos nós seres humanos, sujeitos a isso, e é por isso que milhares de leis fora criadas no mundo, para defender o homem do outro homem, ou da maldade de um contra o outro.

No caso da discussão do momento e da atribuição de tudo quanto é ruim, aos "políticos", tenhamos nós a certeza de uma coisa: Eles são nossos representantes e foram escolhidos por nós. Fica difícil saber quem corrompe mais, se eles ou nós.

O simples fato de eu pedir um patrocínio a um político de mandato, pode ser um ato de corrupção. Ele, para me colocar ao seu favor, usará o dinheiro que dispõe para campanha política e me patrocina. De onde veio esse dinheiro,  eu não quero saber, o que importa é que eu receba o patrocínio para um evento, digamos assim, que quero fazer para "me dar bem". Depois, um dia qualquer, quando algo não me for favorável, eu vou chamá-lo de ladrão. Só que é ladrão, porque eu pedi a ele que roubasse para me favorecer. E por aí vai.

Quando eu uso um grupo, para dele tirar proveito próprio. Quando sou presidente de uma associação, por exemplo, ou sindicato, ou quando tenho um grupo de artistas e apresento esse para o poder público, e por isso recebo um emprego. O emprego é para mim, e se for mais de um, eu distribuo para a minha família. O que significa isso? È corrupção só se for o meu vizinho ou o adversário que tenha tal atitude? Se for eu, é a "lei da sobrevivência".. ? Que Deus tenha piedade de nós, que apontamos "o cisco do olho do outro, mas não sentimos a trave que está no nosso".



Dom Frei João Muniz celebra em Bacabal antes de partir para o Xingu




Dom Frei João Muniz, recém ordenado bispo, que assumirá a diocese do Xingu, no estado do Pará, presidiu ontem, domingo (20), a celebração da eucaristia, na matriz de São Francisco em Bacabal.

Ele, que esteve à frente da  paróquia de São Francisco e da Província Franciscana de Nossa Senhora da Assunção, MA/PI, agora assumirá uma diocese. E lá, no Xingu, estará de braços abertos, como disse, para acolher aos irmãos de Bacabal. 











Textos, fotos, artes e vídeos do Imirante.com estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do site em qualquer meio de comunicação sem autorização do Imirante.com. O objetivo é proteger o investimento que o Imirante faz na qualidade de seu jornalismo. Para compartilhar esse conteúdo, por favor enviar um e-mail para: imirante@mirante.com.br
Textos, fotos, artes e vídeos do Imirante.com estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do site em qualquer meio de comunicação sem autorização do Imirante.com. O objetivo é proteger o investimento que o Imirante faz na qualidade de seu jornalismo. Para compartilhar esse conteúdo, por favor enviar um e-mail para: imirante@mirante.com.br

Boa Vida X Esperantinópolis-MA


A Associação Atlética Boa Vida, que realiza de vez em quando, jogos de amizade, entre times de Bacabal ou de outros municípios, realizou ontem 20 de março (Domingo) em, sua sede, uma confraternização com a seleção de futebol da cidade de Esperantinópolis- MA.

O jogo, que teve início às 10:55hs e terminou às 12:40hs, teve um resultado em campo, que favoreceu ao Boa Vida.   5 X 2 para o B. Vida. Não teve perdedor, contudo, no que toca ao momento de confraternizão, que alias  é o que importa.