sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Os palanques políticos continuam em Bacabal/MA




Tudo começou no início da campanha eleitoral passada para prefeito e vereadores. Foram seis candidatos, mas, sobressaíram dois. De um lado, um candidato de 82 anos, que, de acordo com os adversários precisava de uma cadeira nos palanques, porque não conseguia ficar de pé. Acusado também, pelos adversários de "ficha suja", 73 processos e muitos outros defeitos. Do outro lado, um candidato jovem, religioso, que acompanhava todas procissões da cidade, inclusive com seu trio elétrico. E tendo em seu panfleto de propaganda, mostrado em sua convenção, uma foto sua entre o  bispo e um padre. Com muito bom relacionamento com a igreja evangélica, "espelho para os jovens", que brigavam para defendê-lo, com grupos de dança para senhoras, tudo por sua conta, em quase todas as esquinas da cidade, com serviços prestado em todos os setores da sociedade, e que não deixava uma data comemorativa sem a devida atenção. Dia das crianças, um caminhão cheio de brinquedos, semana santa 10 mil quilos de peixe, ou algo parecido, dia das mães, muitos brindes. Além disso, o candidato tinha o apoio de um senador, de um deputado federal, de um blogueiro, de três canais de televisão, um conceituado advogado, que dedicava boa parte de seu tempo nas esquinas, com um microfone orientando a população como votar contra o candidato que estava com a candidatura indeferida.

Sim, senhores (as), mas, o que ficou claro, e que me ensinou bastante, já que sou quase analfabeto, foi que, política partidária é um jogo onde o que mais conta é convencer. E nesse caso, é vender uma sugestão à população de modo geral, porque, numa população tem gente que vota e gente que não vota, mas que induz o eleitor a votar.

E o que aconteceu, foi que o candidato "quase santo" perdeu com uma diferença de quase 3 mil votos, mas comemorou, porque, como durante toda sua campanha dizia que, se o outro candidato, por ventura tivesse algum voto, esse seria nulo, resolveu manter o que pregou. Só que, com essa filosofia dos "votos nulos" do adversário, causou um tumulto na cidade.

E quando viu cair por terra tudo aquilo que ele e seu grupo pregaram, durante e depois da campanha, assistindo a diplomação daquele que, "caso tivesse algum voto, esse setia nulo", bateu o desespero e apelou para os vereadores. Digo, para convencê-los a eleger um presidente da câmara. E como seu grupo não tinha conseguido eleger a maioria dos vereadores, apelou para a negociação com o grupo adversário...do "ficha suja". E conseguiu, só que na sessão de posse, onde estavam todos os dezessete vereadores eleitos, bem como o prefeito, já no momento de checar os documentos daqueles que tomariam posse (vereadores), faltou um documento de um vereador e um de uma vereadora. O presidente da mesa esperou 20 minutos, mas só a vereadora trouxe o seu documento, faltou o do vereador. Isso gerou um grande tumulto no local da sessão.

Já não contando mais com a vitória, o grupo do "candidato perfeito" se retirou da sala da sessão de posse. Aconteceu uma breve reunião numa sala do lado, onde foi combinado uma outra sessão, que seria na câmara municipal. Assim, tomaram posse e elegeram o presidente da câmara. O tumulto aumentava, porque, a partir daquele momento a câmara passava a ter dois presidentes. O que foi eleito na sessão onde a população toda assistiu e o outro, dos insatisfeitos, que não aceitaram perder, 

Vieram as consequências dos dois presidentes. O prefeito não conseguiu acesso às contas bancárias da prefeitura, porque, o presidente eleito pelos que se retiraram da sessão e fizeram outra, entrou com um pedido de bloqueio, para que o prefeito fosse assim desmoralizado junto ao povo.

Em 20 de janeiro próximo passado, foi divulgado o desbloqueio, mas, imediatamente teve outro pedido do presidente, para que bloqueasse novamente.

Hoje sexta feira (27), um juiz entrou na questão, anulou as duas eleições da câmara, bem como a existência dos dois presidentes, e determinou que a câmara será presidida pelo vereador com mais idade, até que seja eleito um novo presidente. A data  está marcada para 03 02 17.As contas serão desbloqueadas, para que tudo volte ao normal e os funcionários recebam seus vencimentos

Por outro lado, foi divulgado em um blog da cidade, que, o vereador que se dizia presidente, eleito na sessão dos insatisfeitos, vai entrar com recurso e mais uma vez pedir o bloqueio das cintas. Resta esperar para ver o que vai acontecer. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário